Anarriê: conheça a história da quadrilha

0
804

Com os vestidos típicos e rodados, calças com retalhos e camisas xadrez e, claro, várias pinturas no rosto, vai começar a quadrilha! Mas, você sabia que ela não é uma dança com origem brasileira? Típica do nosso folclore, existem algumas versões para a história da quadrilha, algumas delas dizem ser uma dança pagã, como também afirmam ter origem católica para comemorar o dia de São João.

Neste mesmo período de junho, na Europa, era comemorado o solstício de verão, que trazia a fertilidade para a terra e a colheita para os povos pagãos. Já para os cristãos, era momento de homenagear João Batista, primo de Jesus, que segundo a Bíblia foi quem o batizou e mais dois santos – Santo Antônio, casamenteiro e São Pedro, santo das chuvas.

Trazida para o Brasil pela aristocracia portuguesa, a dança era apenas para a elite e marcava a abertura dos bailes da corte, mas foi apenas com o tempo que se tornou enraizada na nossa cultura e mudou, sendo customizada para a forma que conhecemos hoje. Após o século XIX que todas as camadas populares aderiram a celebração e inseriram modos de vida do campo à coreografia.

Anarriê: conheça a história da quadrilhaAlguns passos típicos são:

Balancê – avisando aos casais para se mexerem ao ritmo da música, mas sem sair do lugar;
Tur – o casal se dá a mão direita e, em posição de forró, dão um giro completo;
Trocar de dama ou de cavalheiro – nesse momento ou a dama ou o cavalheiro trocam de casal, indo para o da frente;
Caminho da roça – as damas na frente, fazem fila indiana com cavalheiros;
Caracol – em “caminho da roça” o primeiro da fila começa a enrolar a fileira;
Duas Grandes Rodas – após o caracol, formando de novo o círculo, as damas são convidadas a irem para o centro da roda, formando então as duas grandes rodas;
Coroar as damas/cavalheiros – De mãos dadas, mulheres/homens levantam os braços e passam por cima do seu parceiro (a);
Túnel – agora, com as mãos dadas para o parceiro, formando um túnel, cada casal passa por baixo de todos os outros.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA